terça-feira, 24 de dezembro de 2013

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Massagem Reflexologica





Terapia preventiva, esta massagem estimula “pontos reflexo” localizados na planta dos pés e das mãos, tendo correspondência com os órgãos internos, para um equilíbrio da nossa energia vital.



Para além de um efeito ultra-relaxante, alivia sintomas físicos, potencia a circulação sanguínea e expulsa as toxinas nocivas do organismo.



Em simultâneo, promove o fluxo de energia, proporciona a auto-cura e transmite uma sensação de bem-estar inigualável.

quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

Reflexologia: pontos nos pés que curam


Andar descalço na grama ou terra, além do aterramento, que ajuda a descarregar a eletricidade estática e equilibrar nosso corpo, também estimula as áreas reflexas auxiliando na saúde dos órgãos. A reflexologia aponta que nos nossos pés existem milhares de terminações nervosas diretamente ligadas a órgãos internos, à coluna vertebral, à cabeça e aos membros superiores e inferiores do nosso corpo.Ao caminhar descalços contribuímos com esta estimulação e o consequente bom funcionamento e o equilíbrio do organismo. Além do mais, a caminhada é uma atividade física de impacto mínimo e o passeio ao ar livre em uma área verde também contribui naturalmente para a queda de estresse e relaxamento. A reflexoterapia é o uso do estímulo destas regiões para cura de males. 

A nutricionista e reflexoterapeuta Renata Daminello explica que seu método de tratamento trabalha com mensagens ao cérebro através do toque. “Pego os pontos dos pés e, com a pressão, mando mensagem para o cérebro de que determinado órgão está com problema para o cérebro mandar enzimas e hormônios e o problema ser curado”, explica. O tratamento, de acordo com Daminello, dura dez sessões. “Não é invasivo, mas é um tratamento. 

Na primeira sessão a pessoa já sente efeitos, já se sente relaxada”, observa, ressaltando que a reflexoterapia não substitui o tratamento médico e nem o uso de remédios. “É um tratamento alternativo”, conclui.

sábado, 7 de dezembro de 2013

Reflexologia: bem-estar dos pés à cabeça


A reflexologia diz-nos que a partir da estimulação de determinadas zonas dos pés e mãos é possível sentir efeitos positivos em todo o organismo. Mas será a reflexologia uma terapia ou afinal não é muito diferente de uma massagem aos pés?
A reflexologia é uma terapia que se baseia no princípio de que existem nos pés e nas mãos e até na cabeça áreas reflexas que correspondem a órgãos, glândulas e outras partes anatómicas do nosso organismo.

O princípio é simples de se entender: através da aplicação de pressão sobre estes pontos – sem o uso de ferramentas ou loções esotéricas –, principalmente nos pés, a reflexologia vai ajudar a aliviar a tensão e a melhorar a circulação, promovendo as funções naturais do nosso organismo.

Explica-nos a reflexologista Idalina Marques que "o terapeuta de reflexologia, ao estimular essas áreas, através de técnicas específicas, evoca do organismo uma resposta adequada e orientada para a regularização e manutenção da homeostasia, condição essencial do estado de bem-estar físico, mental e espiritual".

O que se procura durante uma sessão de tratamento, diz-nos Idalina Marques, é pressionar os "recetores sensoriais localizados nas camadas superficiais da pele do pé, o que vai gerar um impulso nervoso que é conduzido até ao sistema nervoso central". Daí que os reflexologistas defendam o efeito positivo que esta terapia pode ter nas mais diversas funções corporais, como a digestão, a circulação sanguínea e linfática, a excreção, respiração e até as defesas do nossos sistema imunitário.

De tempos antigos até ao presente

Os primeiros "passos" desta terapia milenar terão sido dados ainda no antigo Egito e na antiga China – a perspetiva holística, de ver o corpo como um todo, é característica da medicina tradicional chinesa e terá sido uma influência clara na génese desta terapia. Idalina Marques realça o facto de a medicina tradicional chinesa "incitar o organismo a curar-se a si próprio através de estímulos específicos". Eduardo Luís, também ele reflexologista, começou inclusive por se formar em medicina chinesa, antes de se dedicar mais pormenorizadamente à reflexologia.

Mas embora as suas origens remontem a tempos antigos, foi só no século XX, primeiro com o trabalho de William Fitzgerald (que desenvolveu aquilo a que se chamava commumente de terapia de zona), e mais tarde com o trabalho de Eunice Ingham, considerada "a mãe da reflexologia moderna", como realça Idalina Marques, que a reflexologia começou a ganhar adeptos em larga escala a Ocidente.

Hoje em dia é uma terapia complementar que tem sido tema de debate e diversos estudos. Alguns acusam-na de se tratar de mero placebo. Mas uma análise simplista corre o risco de falhar o alvo: é o próprio reflexólogo Eduardo Luís que realça que um especialista da área não deve diagnosticar, nem prescrever. Ou seja, o objetivo não é substituir-se a um tratamento médico convencional. Até porque a ideia aqui a ter em conta é que a reflexologia por si só não é suficiente para assegurar o bem-estar. As condições de vida, o ambiente ou a nutrição, por exemplo, são fatores importantes a ter em conta, já que todos desempenham um papel fundamental no nosso estado global de saúde. O que a reflexologia defende é o seu papel nesta promoção do equilíbrio global. Mas como é que isto funciona na prática?

Na hora da consulta...

Numa consulta-padrão, que pode demorar cerca de uma hora (embora a primeira possa demorar mais), o reflexologista pode começar por fazer perguntas de saúde, antes de dar atenção aos pés propriamente ditos do paciente. Trabalha-se a um nível cénico (Idalina Marques realça que a "música ambiente e aromoterapia podem ajudar a criar um ambiente ainda mais adequado") e relacional. O terapeuta vai procurar recolher informação sobre os dados pessoais, a condição presente, a história clínica e o estilo de vida.

A partir daqui é altura de, literalmente, "pôr mãos à obra". Não se estranhe se houver alguma sensação de "formigueiro" (uma pequena impressão) noutras áreas do corpo, enquanto os pontos onde o terapeuta se foca estão a ser estimulados. É que estes pontos são parte integrante daquilo a que os terapeutas de reflexologia referem como meridianos. E o que são meridianos? A especialista em reflexologia diz-nos que se tratam de "canais energéticos que percorrem todo o nosso corpo e por onde circula a energia vital (Qi)".

Falar em energia não é definitivamente o léxico mais habitual quando falamos de saúde e bem-estar. Mas é precisamente aqui que a reflexologia coincide com os princípios da medicina tradicional chinesa. Está a ver aquela "bizarra" escolha da acupuntura que, ao querer aliviar uma dor de cabeça, coloca uma agulha numa parte completamente diferente do organismo? Bem, o princípio é o mesmo: estamos a trabalhar ao nível dos meridianos. E embora este seja o ponto em que mais facilmente nos ocorre duvidar do valor científico de uma terapia assim, não deixa de ser curioso que alguns destes meridianos sob os quais a medicina tradicional chinesa (e restantes terapias que nela encontraram influência) sempre trabalhou, serem coincidentes com trajetos neurológicos importantes. "Não pode haver dúvidas em relação à existência de uma forte ligação entre a reflexologia e a acupunctura", reconhece Idalina Marques.

Mas se a reflexologia procura também o relaxamento – e afirma consegui-lo através de pontos nos pés e mãos, de que forma é que se distingue de uma massagem comum, também ela promotora de relaxamento e bem-estar? Diz-nos a terapeuta que, "enquanto que na massagem normal são trabalhados a pele, os músculos e se mobilizam as articulações de modo a obter um efeito relaxante, na reflexologia aplicam-se estímulos de acupressão, com a polpa do polegar e/ou indicador, em todas as áreas reflexas do pé/mão, através de técnica especificas, com incidência nas áreas e pontos em que o utente/cliente identificou como dolorosas e ainda naquelas em que o terapeuta percecionou desequilíbrios energéticos. O efeito é relaxante mas também indutor de respostas neurofisiológicas e energéticas responsáveis pela reposição de equilíbrio do organismo", pormenoriza.

Uma aposta na promoção do bem-estar

"Todas as pessoas, crianças, jovens, adultos e idosos podem beneficiar da reflexologia", realça Idalina Marques. Uma posição secundada pelo colega Eduardo Luís, que refere que a reflexologia só é "contraindicada quando é feita por terapeutas não qualificados".

E tratando-se de uma terapia complementar, pode fazer o seu papel de alívio tanto de modo preventivo (promoção de bem-estar) como de ajuda a um outro tratamento que esteja a decorrer. Tal como acontece com outras terapias complementares, são por vezes pacientes oncológicos que procuram esta ajuda "extra". Algo compreensível, se pensarmos no quão exigente pode ser um tratamento de quimioterapia ou radioterapia. Na Dinamarca, por exemplo, alguns municípios mantém a possibilidade de comparticipar a reflexologia, tentando assim promover uma perspetiva da saúde mais preventiva.


Mas o campo de ação de reflexologia é abrangente. A título de resumo, Idalina Marques dá alguns exemplos: "perturbações ligadas ao stressinsónias, medos, depressão, perturbações digestivas, perturbações respiratórias, distúrbios na circulação sanguínea e linfática, dores musculares", ou seja, nos mais diversos campos onde seja possível promover o relaxamento e o reequilíbrio do organismo.



Fontes:
- Eduardo Luís, reflexologista
- Idalina Marques, reflexologista
- Reflexology, in American cancer Association


Escrito por  Pedro F. Pina, com entrevistas a Eduardo Luís e Idalina Marques, reflexologistas

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

A ORIGEM DA REFLEXOLOGIA PODAL



Muito utilizada até hoje para a promoção da saúde a reflexologia podal é datada há mais de 4.000 anos atrás

A reflexologia atua de forma terapêutica no combate às dores e doenças comuns do nosso organismo, através da pressão exercida sobre determinado ponto de reflexo sobre o nosso corpo.


Esses pontos de reflexo podem ser encontrados nas orelhas, nas íris dos olhos, nas palmas das mãos e, na planta dos pés.


Reflexologia podal é como denominamos a técnica exercida sobre os pontos de reflexos encontrados nos pés.


A ORIGEM DA REFLEXOLOGIA PODAL

Esse método de cura existe há pelo menos 2.500 AC, quando os egípcios já demonstravam utilizar tais conhecimentos através de pinturas arqueológicas. Acredita-se que esta técnica tenha sido compreendida mais tarde pelos budistas indianos, que teriam levado esse conhecimento para a China.

Na china, a técnica milenar é aplicada até os dias de hoje. Foram os chineses os mais interessados em desenvolvê-la. Escrituras antigas de origem chinesa detalhavam os conhecimentos sobre este método antigo em relação aos pontos de reflexão encontrados em partes do corpo.

história e origem da reflexologia podal


A HISTÓRIA DA REFLEXOLOGIA NO OCIDENTE


A técnica se tornou conhecida no ocidente através dos estudos de alguns médicos europeus que comprovaram os diversos beneficios, como os do Dr. P. Nogier,  os médicos Adamus e A’tatis, Dr. Willian Fitzgerald, Dr. Joseph S. Riley e a Dra. Eunice Inghan.

Os médicos Adamus e A’tatis escreveram um livro sobre a “Terapia por Zonas”, que foi publicado no ano de 1582. O médico francês P. Nogier se aprofundou na arte da reflexologia auricular, que trata da pressão em pontos relacionados na orelha. Enquanto o alemão, Dr. Willian Fitzgerald, tratou da reflexologia podal.

Fitzgerald e seus colegas desenvolveram um livro com ilustrações dos pontos da reflexologia podal no ano de 1917. Dr. Joseph S. Riley trabalhou com Fitzgerald, ele desenvolveu os diagramas detalhados sobre pontos reflexos localizados nas plantas dos pés.

Já, a Dra. Eunice Inghan, que atuou como assistente de Riley, dedicou 40 anos ao estudo da reflexologia podal, utilizou seus conhecimentos sobre a técnica em seus pacientes, desenvolveu o “Método Inghan de massagem de compressão e, escreveu dois livros sobre o assunto: “ A história que os pés podem contar”, e “ A história que os pés têm contado”.


CONCLUSÃO


É interessante conhecer um pouco sobre a história e origem da reflexologia podal, pois esta prática até hoje é muito utilizada em diversos países, inclusive no Brasil e muitas pessoas puderam comprovar a eficácia deste método para a promoção da saúde e uma qualidade de vida melhor.

http://www.dicasdemassagem.com.br/historia-e-origem-da-reflexologia-podal#ixzz2laaGKN81

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

A saúde e o papel que a reflexologia pode ter na sua manutenção



A reflexologia tem sido praticada desde a Antiguidade para promover a saúde; era praticada na Antiga China como parte de um sistema de saúde baseado na teoria dos meridianos. Foi usada em combinação com a acupuntura; os pés eram trabalhados com o objetivo de descobrir quais as partes do corpo que estavam desequilibradas ou com proble­mas, para relaxar e eliminar congestões, estimular a circula­ção e o fluxo de energia e melhorar todos os sistemas físicos através da estimulação. As agulhas de acupuntura eram depois aplicadas em determinados pontos, de modo a sintoni­zarem de forma perfeita o sistema, a libertarem e melhorarem a circulação de energia pelo corpo e a maximizarem a eficácia do tratamento.
A terapia de pressão sobre pontos e a massagem aos pés foram usadas por todo o mundo durante milhares de anos e, embora existam provas, conhece-se pouco acerca da sabedo­ria que fundamentava estas terapias, excetuando-se o caso chinês. O conhecimento dos componentes corpo-mente-espírito dos seres humanos era tão abrangente quão profunda era a sabedoria na Antiga China. Ambas chegaram aos nossos dias através dos princípios e da prática da acupuntura.

Uma compreensão holística do trabalho terapêutico

Em contraste marcado com muitos sistemas medicinais modernos, a reflexologia, uma terapia holística, abrange todas as facetas da existência e dá sentido à inter-relação entre as diferentes áreas da vida e os vários sistemas corpo­rais, na medida em que estes trabalham em conjunto para o bem-estar.
Se um incidente no trabalho o deixa tão zangado que fica a ferver, com a adrenalina a circular e, consequentemente, com os sistemas corporais acelerados e prontos para a ação, isto significa que os músculos ficam contraídos, o metabolis­mo é mais rápido a processar energia para utilização imediata, o sangue circula pelo corpo a maior velocidade e a respiração acelera. Quer seja capaz de gastar esta energia acrescida, libertando-a ao lidar com a situação, quer seja incapaz de realizar qualquer ação, pelo fato de esta poder não ser ade­quada e, em consequência, ter de se limitar a «armazenar» esta energia, as reservas corporais imediatas terão sido esgo­tadas em resultado da grande velocidade de produção de uma enorme quantidade de energia em pouco tempo.
O corpo terá necessidade de se restabelecer; os músculos necessitarão de relaxar, seja de forma natural ou com algum tipo de ajuda, e as reservas de energia terão de ser novamente preenchidas, fornecendo-se mais combustível ao corpo sob a forma de comida. O tipo de combustível-comida afetará, por sua vez, o modo como os sistemas conseguem retornar ao funcionamento normal. Se tudo isto acontecer naturalmente não haverá problemas, mas, pelo contrário, se a tensão con­tinuar, se ficar encurralado durante todo o dia, se comeu à pressa o almoço, resumido a uma sanduíche previamente embrulhada, se foi a correr para casa, passando pelo super­mercado para ir buscar uma refeição para microondas para o jantar e chegou a casa para ficar ao dispor das exigências dos miúdos ou do seu companheiro, o seu corpo não terá, muito seguramente, obtido aquilo de que precisa para um funciona­mento saudável.
 O indivíduo é a maior autoridade sobre o seu próprio bem-estar

O efeito que o estilo de vida adoptado tem sobre o corpo e sobre as emoções é direto e intenso. Este sistema terapêu­tico tem em conta todos os aspectos da vida e pode ajudar a enfrentar quaisquer problemas que possam surgir, tentando compreender o todo e não apenas lidar com os efeitos de um dia difícil ou pôr fim aos mesmos; lidar unicamente com os efeitos não permitirá alcançar a cura e melhorar o bem-estar, o que só acontecerá pela compreensão e pela tomada de providências no sentido de aperfeiçoar o funcionamento de todos os sistemas.
Tal como as emoções têm um efeito sobre o funciona­mento do corpo, também este afeta o fluxo das emoções. Por exemplo, o fígado regula a atividade digestiva — produz a bílis (armazenada na vesícula biliar), que ajuda na digestão das gorduras, armazena e filtra o sangue e controla as emo­ções, razão porque um fígado saudável contribui para manter as emoções saudáveis e positivas, espontaneamente sentidas, expressas e libertadas, de modo a poder avançar-se para o próximo acontecimento. Por outro lado, um fígado com problemas e com um funcionamento deficiente pode agravar a turbulência emocional. O modo como o mau funcionamento do fígado interfere na totalidade do ser humano é, só por si, complexo; o modo como os problemas podem ser compreen­didos e corrigidos é claramente demonstrado na teoria dos meridianos.
 Como pode a reflexologia ajudar
Caso se opte por um tratamento reflexológico, a terapia tem em conta a totalidade da pessoa e busca o seu aperfeiçoa­mento, atendendo ao modo como o corpo funciona e sabendo-se que este afeta o funcionamento da mente. Não é descurado o fato de o estilo de vida e das pressões a que se está sujeito afetarem as emoções sentidas e o modo como estas fluem. Pegar num destes aspectos da vida e tratá-lo isolada­mente, sem ter em conta a influência que este tem sobre o todo, conduzirá a uma série de problemas em cadeia, surgindo cada um deles a partir do último, em consequência de nunca se agir adequadamente, lace à totalidade do quadro. As ações origina­das por decisões tomadas sem uma informação suficiente demonstram geralmente ser pouco satisfatórias—incompletas, na melhor das hipóteses, e prejudiciais, na pior.

Do Livro A CURA PELA REFLEXOLOGIA
De Rosalind Oxenford

quarta-feira, 20 de novembro de 2013

Ivete Sangalo recebe massagem nos pés



Cantora postou foto no Instagram nesta segunda-feira: "Ajudando mainha a relaxar"


Ivete Sangalo tem energia pra dar e vender e depois de tantos shows e apresentações em cima do palco, precisa de um tempinho para relaxar. A cantora aproveitou então para tirar umas horinhas de descanso e fazer uma massagem nos pés.

A baiana resolveu compartilhar o momento de luxo com os fãs do Instagram nesta segunda-feira, dia 18. "Bom dia minha gente bonita!! Aninha já ajudando mainha a relaxar. Pulei muito no fim de semana, e valeu a pena", escreveu na legenda da foto.


terça-feira, 19 de novembro de 2013

Curso de reflexologia Tailandesa – Centro Técnico Shinsei SP


Curso de reflexologia Tailandesa – Centro Técnico Shinsei
Local: Rua Abilio Soares, 743 – Paraíso – Metrô Paraíso
são paulo – SP
Valor do Curso: R$300,00 (3X sem juros no cartão)
Contato: (11) 2605-2777/ (11) 9 9912-3246 – Asamura (TIM) / (11) 9 9590-0857 – Márcia (TIM)
Conteúdo:
  • História da Reflexologia
  • As Zonas Zen
  • Indicações e contra indicações
  • Kit de produtos e materiais para massagem
  • A sequência e manobras da Reflexologia Thai
  • Execução do protocolo supervisionado

quinta-feira, 14 de novembro de 2013

Elimine dores e stress...Sessão de Reflexologia nos Pés

  • A Reflexologia é capaz de relaxar, equilibrar, prevenir e tratar diversos distúrbios.
  • Não é uma técnica invasiva e também não usa qualquer tipo de medicamentos.
  • Baseia-se no princípio de que existem áreas, ou pontos reflexos nos pés e nas mãos, que correspondem a cada órgão, glândula e estrutura no corpo. 
  • Ao trabalhar nesses reflexos, reduzimos a tensão em todo o corpo. A energia está sempre fluindo através de canais ou zonas no corpo que terminam formando os pontos reflexos nos pés e mãos. 
  • Algumas razões na qual a Reflexologia é muito utilizada: 
  • - Stress, 
  • - Tensão, 
  • - Depressão,
  • - Ansiedade,
  • - Angustia,
  • - Insônia, 
  • - Enxaquecas, 
  • - Irritabilidade,
  • - Síndromes pré-menstruais,
  • - Problemas Digestivo, 
  • - Respiratório,
  • - Circulatório, 
  • - Problemas na coluna,
  • - Articulares e outros.
  • Desta forma, os pés podem desempenhar um papel importantíssimo na conquista e manutenção de uma boa saúde.
  • A Sessão dura em média 45 minutos.

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

curso de Reflexologia em SP



ABERTO INSCRIÇÕES PARA 2014. CURSO MODULAR EM 12 MESES.
LOCAL: AV.: GIOVANNI GRONCHI 5201 - MORUMBI -SP (HOTEL THE HILL)
ESTACIONAMENTO NO LOCAL
INÍCIO: 18 E 19/01/2014 TÉRMINO 14 E 15/12/2014.
Contatos: 11 2839-5099 / 11 98179-6169 (TIM)
email: contato.reflexosterapias@gmail.com

sábado, 9 de novembro de 2013

quarta-feira, 6 de novembro de 2013

Abertas inscrições para curso de Reflexologia Podal no Senac Pelotas


Cuidar dos pés não é apenas uma preocupação estética. Com um bom tratamento é possível suavizar tensões, dores musculares e até reduzir o stress a partir da zona dos pés. Interessados no conhecimento voltado ao cuidado terapêutico dos pés tem agora a opção de qualificar-se em Refloxologia Podal, no Senac Pelotas. As aulas iniciam no dia 11 de novembro e as inscrições estão abertas.  
O curso apresenta conhecimentos sobre a técnica que trabalha através da manipulação dos pés em pontos reflexos específicos. O programa curricular possui um total de 60 horas de carga horária, divididas em 40h de conteúdo teórico e 20h de prática profissional supervisionada.
 
As aulas serão ministradas de segunda a sexta-feira, das 13h30 às 17h30 na Unidade – Rua Dom Pedro II, 901. Informações em www.senacrs.com.br/pelotas ou pelo telefone (53) 3225-8889.

segunda-feira, 4 de novembro de 2013

Reflexologia para quem fica muito tempo em pé

É comum ouvirmos pessoas que trabalham muito tempo em pé reclamarem de dores nas pernas e nos pés. Cabeleireiros, comerciantes, seguranças e professores são exemplos de profissionais que precisam permanecer muito tempo sem sentar. Para diminuir as dores e aliviar a tensão nos pés, as Clínicas de Massagem oferecem a Reflexologia, uma técnica de tratamento da medicina alternativa que estimula pontos dos pés.
Ficar em pé durante um período muito longo pode gerar cansaço, peso e inchaço nas pernas, causando grande desconforto no fim do dia. A Reflexologia tem ação local de relaxamento e é uma importante aliada para o alívio de membros inferiores. Uma sugestão que a massagem seja feita no final do dia, pois além de relaxar e aliviar as dores, a massagem pode também ajudar as pessoas que têm dificuldade para dormir.
Além de indicada para quem permanece muito tempo em pé, a Reflexologia traz benefícios para as pessoas que estão estressadas, ficam muito tempo sentadas, usam salto alto, dirigem muito, praticam caminhada, corrida e esportes em geral, pois auxilia principalmente na circulação.
A Reflexologia alivia dores, distúrbios orgânicos e emocionais, deixa os pés hidratados, a textura da pele macia, auxilia no equilíbrio energético e melhora a circulação, contribuindo não somente na beleza dos pés, mas reflete no corpo todo. Recomenda-se duas sessões por semana e o resultado é imediato.

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

ZONOTERAPIA



O Dr. William Fitzgerald, considerado o fundador da terapia por zonas, nasceu no ano de 1872, em Cnnecticut, nos EUA. Diplomou-se em medicina na Universidade de Vermont e passou dois anos e meio a trabalhar no Boston City Hospital, exercendo também em hospitais Vienenses e Londrinos. Enquanto trabalhou em Viena, entrou em contato com a obra do Dr. H. Bessler, que investigava, então, a possibilidade de tratar órgãos por meio de pontos de pressão. Fitzgerald reparou que, ao resolver problemas em diferentes pacientes, com uma pequena cirurgia, alguns tinham dores acentuadas, enquanto outro tinha muito pouco. As suas investigações revelavam que os doentes que sofriam poucas dores estavam realmente a provocar em si mesmos um efeito anestésico fazendo pressão em áreas do corpo. Intrigado, continuou a pesquisar tal fenômeno, enquanto trabalhava como diretor médico no Hospital for Diseases of the Ear, Nose and Throat, em Hartford, Connecticut, experimentando muitas das suas teorias nos pacientes. Descobriu que, sendo a pressão aplicada aos dedos, provocava um efeito anestésico na mão, braço e ombro, subindo até aos maxilares, face, orelha e nariz. Utilizou então essa pressão servindo-se de ligaduras de elástico, apertadas na seção média de cada dedo, ou de grampos, que colocava na ponta dos dedos. Era capaz de praticar pequenas cirurgias apenas com o auxílio dessa técnica de pressão. E, ao exercer essa pressão numa determinada zona do corpo, aprendeu a calcular quais as outras partes corporais que seriam afetadas.

Desenvolvendo este seu trabalho, sistematizou o corpo em zonas: estabeleceram dez zonas iguais e longitudinais que percorreriam o corpo, desde o alto da cabeça as pontas dos dedos dos pés. O número dez corresponde ao número de dedos das mãos e dos pés. Cada dedo da mão e do pé ficou abrangido por uma zona. Para chegar ao conceito de divisões zonais, imaginem uma linha que passe pelo centro do corpo, havendo cinco zonas de cada lado dessa linha. O polegar e o dedo grande do pé caem na zona um, enquanto, por exemplo, o dedo mindinho e o dedo menor do pé caem na zona cinco. As zonas têm todas as mesmas larguras e estendem-se através do corpo de frente para trás. A teoria é a seguinte: partes do corpo abrangidas por uma zona estarão ligadas umas as outras pelo fluxo energético existente nessa zona e podem, por conseguinte, afetar-se entre si.

Fitzgerald e o seu colega, Dr. Edwin Bowers, ficaram tão entusiasmados com as suas descobertas que inventaram um método singular de convencer os seus confrades da validade da teoria. Faziam pressão na mão de um indivíduo céptico, e, depois, espetavam um alfinete na zona facial anestesiada pela pressão. Era uma forma bastante radical de validar uma teoria, mas dava resultado. Em 1915, Bowers o artigo que, pela primeira vez, explicou publicamente o tratamento em causa, e que os seus autores tinham designado por “terapias por zonas”. O artigo apareceu na Everybodys Magazine e intitulava-se “Para acabar com essa dor de dentes aperte o seu dedo do pé”!

Em 1917, o trabalho conjunto do Dr. Fitzgerald e do Dr. Bowers foi publicado no livro Zone Therapy. Na primeira edição havia diagramas das zonas dos pés e da correspondente divisão das zonas do corpo. Mas Fitzgerald não prestou qualquer atenção especial às áreas reflexas, hoje tão cruciais na reflexologia moderna.

Segundo o Dr. Fitzgerald a zonoterapia servia para efeitos analgésicos. Demonstrou dez zonas longitudinais que se estendiam desde os dedos até a cabeça. Cada zona corresponde a um dedo específico. O polegar e o hálux (dedão) pertencem “a zona 1, e assim até o mindinho a zona 5. E quanto às zonas transversais, foi identificada pela terapeuta alemã Hanne Marquardt, conforme a gravura abaixo”.

A classe médica daquele tempo não acolheu entusiasticamente as teorias de Fitzgerald, mas houve um clínico que acreditou no seu trabalho, o Dr. Joseph Riley. Fato este bastante audacioso, já que a assistente de investigação de Riley viria a ser Eunice Ingham, que estava destinada a dar a contribuição mais importante a reflexologia dos nossos tempos.

Eunice Ingham (1879-1974) deveria ser referida como a mãe da Reflexologia Moderna, já que foi em conseqüência da sua pesquisa e dedicação infatigáveis que a reflexologia acabou por ser reconhecida. Eunice Ingham separou o trabalho sobre os reflexos dos pés da terapia por zonas em geral. Tinha utilizado a terapia por zonas na sua prática, mas convenceu-se de que os pés deveriam ser alvos específicos da terapia, devido à sua natureza muitíssimo sensível. Mapeou os pés em relação às zonas e seus efeitos no resto do organismo, até, finalmente, ter obtido um “mapa” de todo o corpo nos próprios pés. Tanto sucesso teve a sua descobertas, e tão eficazes se mostraram os seus tratamentos que, em breve, a sua reputação se espalhou. Eunice Ingham transmitiu o seu trabalho ao público e à comunidade em geral, não constituída por médicos, quando se apercebeu de que os leigos podiam aprender as técnicas adequadas de reflexologia para se tratarem, assim como as famílias e aos amigos. Pediram-lhe para falar em convenções, e para partilhar os seus conhecimentos com quiropodistas, massagistas e fisioterapeutas, naturopatas e osteopatas. Durante mais de trinta anos, Eunice Ingham percorreu a América, ensinando o seu método por meio de livros, mapas e seminários a milhares de pessoas, pertencentes, ou não, à área da medicina. Os seus dois volumes Stories The Feet Can Tell (1938) e Stories The Feet Have Told (1951) foram, talvez, as primeiras obras escritas sobre o assunto. Hoje, o seu legado prossegue sob a direção do sobrinho, Dwight Byers, que dirige o Instituto Internacional de Reflexologia de São Petersburgo.

A terapia por zonas é, sem dúvida, a base da reflexologia moderna, e a maior parte dos reflexologistas emprega-a como um acessório útil da reflexologia. Mas, no entanto, o trabalho baseado na ação do SN, constitui de fato, o elo vital entre os pés e resto do corpo.


Bibliografia:

DOIGANS, Inge; ELLIS, Susanne, Reflexologia; Editorial Estampa.

LOURENÇO, Osni Tadeu; Reflexoterapia Podal, Sua saúde através dos pés, Editora Ground, SP
.

quinta-feira, 24 de outubro de 2013

Como melhorar a circulação nos pés e tornozelos

Muitas pessoas têm uma má circulação nos pés e nos tornozelos, fazendo com que estas partes inchem. Certos fatores podem contribuir para este estado. Como é o caso da pressão arterial elevada, doenças de coração ou diabetes. Existem algumas coisas que pode fazer para aumentar a circulação no pés e nos tornozelos. Estes métodos são muito simples e podem reduzir a inflamação que acompanha a má circulação.
Instruções
Elevar os pés. Quando estiver sentado, ponha almofadas ou travesseiros por baixo dos pés para os elevar e aumentar a circulação do coração.
Mantenha-se ativo. Caminhar é uma boa forma de aumentar a circulação nos pés e tornozelos, por isso trate de dar um passeio todos os dias. Se estiver de pé todo o dia no seu trabalho, pode tentar caminhar no mesmo lugar ou inclusivamente experimentar coisas como mover os dedos dos pés. Estas atividades ajudam a melhorar a circulação.
Use meias soltas. As meias apertadas podem cortar a circulação e causar inflamação.
Não cruze as pernas quando se senta. Cruzar as pernas pode restringir a circulação, por isso tenha sempre isso em mente quando se senta. Lembre-se a si mesmo, sentar sem cruzar as pernas.
Use meias de suporte (compressivas). Estas meias são desenhadas de tal forma que ajudam o fluxo sanguíneo desde a perna até ao coração.
Massageia as pernas. Faça uma massagem suave com movimentos ascendentes. Isto ajuda a melhorar a circulação pelo direcionamento do sangue das veias até ao coração.