terça-feira, 31 de maio de 2011

Com os pés no chão



Eles servem de base para a locomoção do ser humano, por isso, devem ficar longe da dor por sapato apertado sofrem os pés: pesquisas apontam que 70% da população mundial tem algum problema ou dor nessas extremidades em algum momento da vida.

“No caso dos pés, as pessoas procuram ajuda médica cedo”, explica Nelson, “já que eles são imprescindíveis para a locomoção”, complementa. Diferentemente de outros tipos de dor, como as nas costas e na coluna, em que 69% dos brasileiros se deixam acometer por mais de um ano antes de buscar ajuda.

Por isso, quando se trata de pés, geralmente o diagnóstico é precoce e, entre os problemas mais comuns apresentados por adultos, está o popular joanete. Na medicina, ele é consequência de uma deformidade no dedão, chamado de hálux valgo e trata-se de um desvio lateral da articulação que fica entre esse dedo e o pé. Além da hereditariedade, é também causado pelo uso de calçados apertados, com salto alto e bico fino – não à toa, é um problema predominantemente feminino: a cada 10 mulheres, apenas um homem apresenta joanete. As consequências? Saliência do osso do dedão – que aponta cada vez mais para os outros dedos –, dor e edema na articulação e aparecimento de calos.

Há também a metatarsalgia. O nome complicado denomina outro problema frequente em pés de adultos: uma dor na parte de baixo, na região bem próxima aos dedos. “Aquela almofadinha que temos na sola anterior do pé”, simplifica Nelson. Ela é uma consequência da sobrecarga nos ossos chamados metatarsos – são aqueles compridos, que ficam entre o calcanhar e os dedos – causada por atividades como corrida ou caminhada.

Outro problema comum é a fascite plantar, inflamação em um tecido bastante resistente que fica na planta dos pés, funcionando como se fosse uma corda quando mexemos os pés. Ela causa bastante dor no calcanhar e geralmente se manifesta quando a pessoa acorda e caminha descalça ao levantar da cama. Excesso de peso, pés planos ou cavados contribuem para o aparecimento da fascite plantar, assim como ficar longos períodos em pé.

Seja qual for o problema, a qualquer sinal de desconforto, dor ou anormalidade, é essencial procurar um ortopedista – se possível especialista em medicina e cirurgia do pé. Este é o profissional capacitado para diagnosticar e tratar o problema. No caso do joanete, metatarsalgia e fascite plantar, o tratamento prescrito pode incluir um simples repouso, uso de palmilhas, de anti-inflamatórios ou mesmo cirurgia. Atualmente, há opções seguras e eficazes dessa classe de medicamentos, denominada inibidores da enzima COX-2, que bloqueiam especificamente esta substância, responsável por causar dor e inflamação. Por isso, alivia a dor causando menos danos ao estômago, efeito colateral frequente com o uso dos anti-inflamatórios tradicionais.

Antes do tratamento, porém, vale a prevenção. E para preservar as centenas de ligamentos, dezenas de músculos e ossos e diversas articulações formam nossos pés, vale seguir algumas dicas, como as listadas abaixo.

Dicas para manter seu pé saudável

Calçado amigo do pé é aquele folgado, confortável – que não aperta os dedos nem o calcanhar –, com saltos baixos, feitos com materiais que permitam a transpiração, como o couro, lembre-se o sapato tem que adaptar-se ao pé e não o contrário.

Não acredite quando vendedor disser que o sapato vai lassear. Não é verdade!

Mantenha o pé ativo: atividades físicas e alongamentos são indicados, sem exagero.

Não descuide do peso, ficando de olho na balança e na dieta. Quanto maior o peso, maior o risco de sofrer com dores e problemas nos pés.

Procure sempre um especialista em medicina e cirurgia do pé quando sentir dores ou desconforto.

Referência:
ABTPé – Sociedade Brasileira de Medicina e Cirurgia do Tornozelo e Pé http://www.sbmcp.org.br/zonaleigos/index.htm

Dor no Brasil, pesquisa encomendada pela Pfizer e realizada pelo Ibope em 9 regiões metropolitanas do Brasil, com 1,4 mil pessoas, em 2008.

Pfizer

segunda-feira, 30 de maio de 2011

Guia prático da reflexologia - Dica de leitura

Livro Guia prático da reflexologia

O Guia prático da Reflexologia é um manual passo a passo para você curar a si mesmo e tratar outras pessoas com a reflexologia.

Escrito de maneira profissional, proporciona um conhecimento aprofundado da teoria e da prática reflexológicas. Ideal para principiantes e profissionais, este livro trata das origens da reflexologia e do modo como essa técnica funciona, dando instruções sobre como trabalhar os pontos reflexos associados.

domingo, 29 de maio de 2011

Sintomas

ORDEM DOS SISTEMAS

1 - O órgão (exemplo o estômago), via medula, informa ao cérebro que está com problema.

2 - Uma parte da informação volta, também via medula, do cérebro para o órgão sob a forma de sintomas.

3 - A outra parte da informação desce do cérebro, saindo pela coluna lombar via medula, passando pelos nervos raquidianos das pernas até os terminais livres dos pés.



Por meio de descargas, cria um campo eletromagnético que rompe alguns microvasos. O sangue desses vasos formam as concentrações sanguíneas (bolsas de sangue) em plexos nervosos que formam os pontos reflexos dos pés.
Através dos pontos reflexos é possível avaliar se há algum problema no órgão.

4 - Estímulos nos terminais nervosos dos pés dissipam as concentrações sanguíneas, restaurando perfeita comunicação entre órgão e cérebro, informando este da necessidade de enviar defesas (agentes corretivos) para o órgão afetado, com isso, propiciando a melhora da saúde física e emocional.

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Massagem nos pés para o dia dos namorados



Os pés possuem ligações com todas as partes do corpo. Você pode iniciar uma boa noite de sexo com uma massagem nos pés.

Comece por massagear a planta do pé com as pontas dos dedos, não é necessário fazer muita pressão. Não tenha pressa e demore-se mais onde o seu parceiro/a se manifestar mais. Passe os dedos levemente no flanco dos pés, de um lado e de outro, e demore-se nos tornozelos. Os dedos são especialmente sensíveis, pode aproveitar e massagear os dedos com a boca, a sensação é muito boa.

domingo, 22 de maio de 2011

Algumas indicações para a reflexoterapia




A Reflexologia é indicada como tratamento complementar em alguma patologia:

_Muitos angiologistas recomendam a Reflexoterapia a seus pacientes porque ela auxilia na circulação de retorno . Também é indicada para pessoas diabéticas que também apresentam problemas de circulação sanguínea.
_No sistema digestivo : úlcera, gastrite, azia, Prisão de ventre, má digestão, hepatite, icterícia, gordura no fígado, pedra na vesícula, enxaqueca, tontura, insônia, sinusite, artrite, gota, hérnia-de-hiato, doença de Crohn, diarréias e hemorróidas.
_Também é eficaz em infecções como: asma brôquica, bronquite, enfisema, rinite alérgica, sinusite, faringite, rouquidão, Resfriados, pneumonia e tosse.
_Ainda nos tratamentos da dor ciática, dores lombares, hérnia de disco, dor de cabeça, torcicolo, dores nas costas, LER - Lesão por Esforço Repetitivo ou DORT - Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho, artrite, artrose, osteoporose, espasmo muscular, bursite, tendinite, fibromialgia, inflamação no tecido fibroso, caimbras e reumatismo ...




A técnica não apresenta efeitos colaterais pois é inofensiva para as áreas que estão funcionando adequadamente.

sexta-feira, 20 de maio de 2011

Pressão de pontos



A reflexologia em si, é uma técnica oriental assim como a acupuntura, que atua em pontos relflexos específicos que estão dentro do nosso sistema, encontrados nas plantas dos pés, na palma das mãos, na cavidade anterior da orelha, no pescoço e da íris. Nas plantas dos pés, é onde encontramos o melhor acesso a estes pontos, e onde há maior acúmulo energético.

Esta técnica ( pressão de pontos), provoca uma reação em cadeia em todo o corpo, pois faz com que cada ponto estimulado libere toxinas, gerando uma limpeza interna e uma sensação de bem-estar imediatas. É importante citar que a Reflexologia é exercida apenas pelas mãos do terapeuta, ou com o auxílio de pequenos aparelhos, sem uso de agulhas.

No início do século vinte, uma equipe de médicos, o Dr, George Stare White, o Dr. Edwin F. Bower e o Dr. Willian FltzGerald empreenderam estudos e documentários sobre o assunto dando início a fase moderna da REFLEXOLOGIA (estudos de áreas que produzem efeitos reflexos no organismo). Em 1913, como técnica aplicada e denominada de Zonoterapia, passou a ser parte do serviço médico oferecido no Boston City Hospital, no Saint Francis Hospital, em Hartford e Connecticut.

Em seu trabalho intitulado ZONOTERAPIA, o Dr. Fitzgerald abre caminho para o desenvolvimento desta técnica, ao trazer à luz , para nossa consideração o relatado de suas descobertas em dez anos de estudo sobre o corpo e a localização de cada órgão em uma ou mais destas zonas.

Descobriu a presença das dez zonas de energia localizadas no corpo. Elas são longitudinais e se estendem ao longo do corpo. Desde a parte superior da cabeça até os pés.

Na América Latina a ZONOTERAPIA e em seguida a REFLEXOLOGIA, foram trazidas a princípio pela missionária Margarida Gootaht ao Paraguai, que após tratar a esposa do próprio presidente desse País, passou a ensinar no Instituto Conaras, em Assunção.

No Brasil, foi criada a ABRT (Associação Brasileira de Reflexologia e Terapias Afins, que vem desenvolvendo, através de seus fundadores Érik Motta Pereira e Osni Tadeu Lourenço, um trabalho não só de divulgação, como produzindo estudos e pesquisas que colocam nosso país em situação de destaque junto a comunidade internacional.

Descobriu também que podia aliviar a dor em determinada parte do corpo do paciente, aplicando pressão em outra parte.

A Reflexologia Podal tem funções como prevenir, identificar más funções do corpo antes de seu aparecimento sintomático e a manteneção saudável do corpo e organismo.

O Reflexoterapeuta tem que ter uma sensibilidade apurada no toque, para perceber que quando uma pessoa relata dor nos pontos reflexos não quer dizer necessariamente que exista algum mal específico, isto é um ponto de energia estagnada e quanto mais obstruído mais dor vai sentir. Porém é sinal de alerta, um aviso que a freqüência vibratória do campo eletromagnético desse pedaço de órgão está em disfunção e no toque da para perceber essa irregularidade.

Os sintomas não são sentidos no corpo orgânico, mas a persistência da disfunção energética ocasionará mais tarde o aparecimento da doença em forma perceptível.

A mudança no formato dos pés, unhas, cor das unhas, além das dores muito agudas sentidas ao submeter-se a uma sessão de reflexologia é sinal de desequilíbrio nas funções orgânicas.

É importante lembrar que é recomendado evitar a prática da reflexologia em caso de ferida nos pés, problemas venosos importantes ou doença cardiovascular. Evite também após as refeições.

Esta terapia consiste em realizar toques nos pontos reflexos dos pés para calmar certos males e tensões.

Nossos pés representam todos os órgãos do corpo e ao estimular as zonas podais manualmente, podemos acalmar a dor, facilitar a eliminação de toxinas, prevenir certas enfermidades e distúrbios da saúde e restabelecer o equilíbrio.

Recomendo a todos que tiverem curiosidade, que procurem um Reflexoterapeuta para experimentar esta maravilha. A sensação de leveza é incrível!

* Este artigo foi baseado em estudos divulgados pela Terapeuta Holística Maria Thereza .

quarta-feira, 18 de maio de 2011

Fertilidade Natural - Reflexologia e Shiatsu



O TOQUE DA FILOSOFIA ORIENTAL

O indivíduo nasce, cresce, pode ser chamado de Maria, Márcia, João ou Pedro...Passa a juventude em busca de uma identidade. Às vezes, casa, outras não. Mas, a maioria das pessoas, em algum momento de suas vidas, com certeza sonha em mudar de nome:

“Mãe, tô com fome!”, “Mãe, tô com sede!”, “Pai, meu pé tá doendo”, “Pai, me leva pro cinema?”

Para que se possa recriar a vida, é necessário vencer a batalha escura do medo e as incertezas de uma nova existência. Para todos os casais, o desejo de um filho implica em uma mudança total na estrutura familiar e, nesse momento, as Técnicas Orientais de intervenção terapêutica podem ser de grande valia para promover o equilíbrio físico e emocional, necessários à fertilização.

Essas técnicas auxiliam o perfeito funcionamento do sistema nervoso e endócrino, regularizam o sistema circulatório, linfático e o ciclo menstrual, eliminando toxinas e garantindo a nutrição de todos os órgãos e vísceras. Além disso, previnem e combatem sintomas emocionais, como a ansiedade, o estresse e o medo, tão comuns frente à expectativa dessa nova perspectiva familiar.

Todas as técnicas de massagem oriental auxiliam a interação do casal, diluindo barreiras e ampliando a cumplicidade e a intimidade. Além de aumentar a consciência corpórea, elevam a auto-aceitação e auto-estima, facilitando a confiança na relação conjugal, fator indispensável para o processo de concepção e para firmar o vínculo eterno e indissolúvel: um filho.


ORIGEM

Desde que o homem é homem, instintivamente ele toca as regiões do corpo quando sente dor. A mãe acalenta o filho em seus braços e ele aprende a acariciar e tocar o outro. Quando um corpo é tocado, algo mágico acontece.

Não são estimulados apenas os músculos e nervos, mas também um grande número de pensamentos e sentimentos. São os medos que estão sendo despertados, são os sonhos, desejos, aspirações e frustrações que estão sendo desbloqueados.

Antes de qualquer coisa, a massagem deve ser sentida, a prática sempre deve ser aliada à teoria.

Foi empiricamente que todas as técnicas de massagem foram descobertas. Há cerca de uns mil anos atrás, a Medicina Chinesa foi introduzida no Japão através do método Anma, que se centrava na utilização de linhas de energia chamadas de meridianos. Mais tarde, os japoneses começaram a utilizar os tsubos (pontos com menos resistência elétrica localizados nos meridianos) e criou-se um método de manipulação mais profundo, atualmente conhecido pelo nome Shiatsu, que atua na estrutura óssea, no sistema nervoso e no funcionamento dos órgãos internos.

Shiatsu é uma palavra de origem japonesa. Literalmente, Shi significa dedo e Atsu pressão. Segundo o Ministério da Saúde japonês: “A terapia conhecida como Shiatsu é uma forma de manipulação administrada pelos polegares, dedos e palmas, sem o uso de qualquer instrumento mecânico ou de outro tipo, para aplicar pressão sobre a pele humana, corrigir disfunções internas, promover e manter a saúde e tratar de doenças específicas”.

Na mesma época, foi introduzido no Japão um método de massagem nos pés como uma forma de medicina preventiva e terapêutica, conhecida no Ocidente como Reflexologia Podal. As evidências demonstram que a Reflexologia, massagem terapêutica nos pés, tem sido praticada por diversas culturas ao longo do tempo:

China - há 5.000 anos

Egito - em torno de 2.500 a 2.330 a.C.

Índios Cherokees da América do Norte.

A Reflexologia não deve ser confundida com a massagem de relaxamento dos pés, pois é uma técnica que consiste em toques em pontos específicos que correspondem a partes de todo o organismo, tanto à parte física como à emocional. Há um procedimento específico a ser seguido, que envolve uma seqüência única de pontos e movimentos.

Seu maior objetivo é o equilíbrio do corpo. Inge Douglas, uma das maiores estudiosas e precursora da técnica, fundadora de um hospital só de Reflexologia na África do Sul, iniciou sua brilhante carreira por ter conseguido engravidar com ajuda dessa técnica.

FILOSOFIA

Dentro da perspectiva oriental de saúde, tudo o que ocorre com a pessoa tem um sentido e um significado, e o maior propósito de qualquer sintoma é manter o equilíbrio entre as coisas. A doença não é uma fatalidade, mas antes um sinal de desequilíbrio e uma tentativa de restabelecê-lo.

Toda a Medicina Oriental está baseada na filosofia taoísta. Para o Taoísmo, antes de tudo havia o caos e dele surgiu o Ki – termo usado para nomear a força do universo.

Desta força, surgem dois princípios antagônicos - o yin e o yang - que mantêm uma relação de complementação, oposição e interdependência.

Para os orientais, a causa de todas as doenças é o desequilíbrio entre o yin e o yang, e através da massagem em pontos específicos pode-se restabelecer o fluxo energético e promover a saúde.

A energia vital (Ki) flui pelo corpo humano através de canais, chamados meridianos, que estão ligados a todas as funções orgânicas e emocionais. Toda a doença é um sinal do organismo de que o fluxo energético de determinado meridiano está em desequilíbrio. Quando um meridiano desequilibra-se, começa a ocorrer uma reação em cadeia e os demais meridianos também se descompensarão, pois assim como todos os sistemas fisiológicos, eles estão inter-relacionados formando um único sistema.

Os meridianos levam o nome do órgão / víscera principal do sistema, que melhor simboliza suas funções. Estar desequilibrado energeticamente em um certo meridiano, não significa necessariamente estar com problemas físicos naquele determinado órgão / víscera.

Porém, quando estamos com um órgão afetado, o problema interfere diretamente no fluxo energético do meridiano correspondente.

O fluxo energético desequilibra-se por fatores internos e externos, físicos e emocionais, não se devendo dar importância a quem originou o processo. Para os orientais, o físico reflete o emocional e o emocional é a expressão do físico.

O Shiatsu é uma das técnicas orientais capazes de diagnosticar e reequilibrar o fluxo energético, através de alongamentos, exercícios respiratórios e manobras de massagem e pressão em pontos específicos.

A Reflexologia utiliza-se da correspondência das áreas dos pés com todo o corpo. Já a Acupuntura utiliza agulhas, enquanto a Moxabustão organiza a energia através do aquecimento de determinados pontos.


BASES FISIOLÓGICAS

O sistema nervoso é a base elétrica do corpo humano, sendo responsável pela comunicação e regulação entre todas as partes do organismo. Sem ele, nenhuma das funções corporais aconteceria e a vida se tornaria impossível. As técnicas orientais de massagem atuam diretamente no sistema nervoso autônomo, enviando mensagens ora tonificantes, ora relaxantes, a fim de regularizar as funções de todo o organismo. O Shiatsu utiliza os meridianos como meio de comunicação direta com o sistema nervoso, enquanto a Reflexologia atua com estímulos, reflexos, isto é, a capacidade espontânea do organismo de reagir a certos estímulos externos, como por exemplo, a movimentação da retina ao fechar e abrir em reação à luz.

TRATAMENTOS

Muito mais que um tratamento, as técnicas orientais de massagem são instrumentos para a promoção de saúde. Seu enfoque está na pessoa como um todo e não apenas nos sintomas, sendo o método apropriado para prevenção de doenças. Por isso, essas práticas podem ser utilizadas por qualquer pessoa a qualquer tempo, não sendo correto predizer sua duração como nos tratamentos convencionais. Crianças, jovens, adultos e idosos podem usufruir seus benefícios e os resultados variam de acordo com a pessoa e a maestria do profissional.

Ao se iniciar o trabalho, deverá ser feito um histórico clínico do cliente e uma leitura física, para avaliar seu estado energético e definir, assim, o procedimento adequado. A aplicação de Reflexologia dura, em média, 30 minutos e a de Shiatsu varia entre 45 a 60 minutos. Mais do que uma técnica de equilíbrio energético, a massagem oriental é um modo de ver, sentir e compreender as pessoas, a vida e a si mesmo.

BENEFÍCIOS PARA FERTILIZAÇÃO:

Para Mulheres:

Estimulando Sistema Respiratório
Circulação
Irrigação sangüínea do Ovário
Irrigação sangüínea do Útero
Trompa de Falópio (tubas)
Equilíbrio hormonal
Para Homens:

Estimulando Sistema Respiratório
Circulação
Irrigação sangüínea do Pênis
Próstata
Testículos
Equilíbrio hormonal
E, para ambos, a parte psico-emocional, que, em muitos dos casos, é o principal problema.



Autores: Dr. Arnaldo Schizzi Cambiaghi e Dr.ª Daniella Spilborghs Castellotti

site: www.ipgo.com.br

terça-feira, 17 de maio de 2011

Drenagem linfática Reflexologica



Trabalha com a projeção energética dos órgãos e vísceras do corpo nas solas dos pés e nas palmas das mãos, promovendo a estimulação dos órgãos através da massagem.

As zonas reflexológicas dos pés contém uma imagem do estado do ser humano como todo. Pontos e regiões com alta concentração de plexos nervosos se relacionam aos órgãos e às caraterísticas emotionais. Por meio de estímulos e massagem nestas regiões, a reflexologia é capaz de avaliar e tratar tanto distúrbios físicos quanto emocionais e promove os poderes de autocura do corpo.


Seguindo o mesmo princípio, existe a técnica de drenagem linfática que trabalha através das respectivas regiões linfáticas nos pés. Ela desincha e desintoxica todo o organismo.

Além disso, existe um tratamento de cicatrizes, que alivia os distúrbios físicos e energéticos causados pelas cicatrizes como cesarianas, apendicites e outros.

Uma técnica diferente é a harmonização da energia dos chakras.


Através desta técnica ocorre um equilíbrio energético e emotional, relacionado aos diferentes temas dos chakras.

segunda-feira, 16 de maio de 2011

Massagem nos pés para acalmar a tosse


Para aliviar a tosse noturna, causada por gripe ou resfriado, espalhe uma camada de Vick-vaporub na planta dos pés, massageie e coloque meias. Mantenha os pés aquecidos, assim a tosse passará em poucos minutos.

Mas, atenção: o uso de Vick-vaporub é contra-indicado para crianças com menos de 2 anos de idade.

domingo, 15 de maio de 2011

Olhos abertos nos seus pés





A prática de esportes é condição essencial para manter a qualidade de vida. Corra, caminhe, mas fique de olhos bem abertos nos seus pés

Antes de relaxar, após uma caminhada ou corrida, vale olhar com atenção para os pés à procura de bolhas ou machucados.

Sobram metáforas e frases que têm os pés como inspiração. Eles são nosso alicerce, nossa base, são eles que firmamos quando temos certeza de algo ou colocamos para o alto quando queremos passar a ideia de boa vida. E por aí vai. Tanta analogia não é gratuita: a parte final dos membros inferiores ajuda mesmo na sustentação do corpo. Para quem pratica esportes, como corrida e caminhada, os 26 ossos, os 107 ligamentos, as 33 articulações e dezenas de músculos dos pés precisam funcionar com afinação de orquestra. Por causa do alto impacto e da sobrecarga de movimentos, eles são facilmente afetados. Uma pisada errada aqui pode levar a uma dorzinha acolá e acabar com semanas de preparo e treinamento.

Para quem tem diabetes, a preocupação com os pés é ainda mais acentuada, pois essa região do corpo é suscetível a uma série de problemas conhecidos genericamente como pé diabético. Isso não quer dizer que é preciso tratar os pés como joias intocáveis. Ao contrário: colocá-los em movimento com o exercício ajuda não apenas a afastar problemas nas extremidades dos membros inferiores como pode melhorar bastante o controle glicêmico. A diferença está na atenção especial e diferenciada que se deve dar a essa parte do corpo.

“A recomendação é que os pés sejam examinados antes e depois da atividade física”, diz o professor William Ricardo Komatsu, coordenador do departamento de atividade física da Sociedade Brasileira de Diabetes - SBD. Observando e tocando, deve-se procurar por bolhas, cortes ou perda de sensibilidade.

Atividade aeróbia ajuda a manter os níveis glicêmicos e ainda dá um tremendo bem-estar

“A principal recomendação para quem tem diabetes é que o tênis seja um ou dois números maior que o do sapato, além de ter o calcanhar um pouco elevado, para absorver melhor o impacto, e um solado que obedeça à forma do pé – se ele é pronado ou supinado, por exemplo”, explica o professor Komatsu.

Para quem não é familiar aos termos, eis as explicações: na pisada pronada, o pé toca o chão primeiro na região do dedinho e termina no dedão; na supinada, acontece o contrário, começa no dedão e termina na parte externa do pé. Existem tênis adequados para cada tipo e eles fazem muita diferença na hora de evitar lesões que podem comprometer tornozelos, joelhos e até mesmo a coluna.

A preocupação com essas lesões é igual para todo corredor. “Não existe nenhum trabalho científico que associe o fato de a pessoa ser diabética com a maior incidência de lesões”, confirma o médico Rogério Teixeira da Silva, coordenador do NEO (Núcleo de Estudos em Esportes e Ortopedia). “O que temos de nos preocupar é com a indicação adequada de calçados”, complementa.

Dicas de quem encarou o desafio

“Compre um bom tênis e uma pochete de running para colocar o monitor de glicemia e os alimentos, em caso de hipos. Comece com 15 minutinhos, três vezes por semana, alternando corrida e caminhada. Quando conseguir correr uns 30 minutos, inscreva-se em uma prova de 5 km e convoque um amigo para ir com você para se sentir mais seguro. Escreva atrás do número de peito que você tem diabetes — há pulseiras de identificação também, vale a pena! —, qual medicação usa e telefones de emergência. Depois da primeira prova, vira rotina e fica fácil!”

“A primeira coisa que quem tem diabetes deve ter em mente é começar sem medo de se sentir deslocado. A segunda é encontrar alguém que já tenha uma rotina de corridas, tendo diabetes ou não, e ambos inscreverem-se em uma caminhada ou uma corrida de 5 km. Ter uma prova no nosso calendário é sempre motivador. Começar a correr é como tomar uma chuva: os primeiros pingos sempre incomodam, mas, depois que estamos encharcados, a chuva torna-se tão agradável!”

“O pé diabético é um problema que tende a acometer pessoas que não fazem bom controle glicêmico e estão sujeitas a complicações”, alerta a professora doutora da Unifesp, Odete Oliveira, enfermeira especializada em diabetes

Pedra no sapato

Pé diabético é um termo usado para várias condições que podem afetar os membros inferiores. A mais comum é a neuropatia periférica, caracterizada pela perda da sensibilidade nessa região. Ela normalmente começa nos dedos e cresce pelos pés. O grande problema é que, muitas vezes, ela só é detectada tardiamente, após uma lesão ou ferida nos pés. O quadro pode evoluir para necrose do tecido e, em casos mais graves, levar à amputação. Daí a importância de sempre tocar e examinar os pés, independentemente da prática de exercícios.

Fique atento aos seguintes sintomas:
› formigamento
› pontadas
› queimação ou dor
› incapacidade de sentir frio ou calor ou ainda sensibilidade extrema ao toque
› perda de coordenação motora e dos reflexos
› cãibras e fraqueza

Carinho para os pés
Cuidados válidos para pés de esportistas ou mesmo de quem não é:
› Lave os pés cuidadosamente e seque-os bem, podendo usar até um secador de cabelos para garantir que não sobre umidade
› Corte as unhas acompanhando o formato dos dedos. Se o médico achar necessário, deixe o trabalho de cortar as unhas para um podólogo
› Use meias de algodão adequadas para corrida e descarte-as quando o tecido começar a fazer bolinhas
› Compre tênis de corrida sempre um ou dois números maior que o usual. O cabedal (o “corpo” em tecido do calçado) deve ter um material especial, que permita a transpiração adequada, evitando maior atrito na hora da prática esportiva
› Em corridas de longa distância (acima de 10 km), aplique um pouco de vaselina nos pés para evitar atrito e bolhas. Há corredores que usam dedais de silicone ou colocam esparadrapo entre os dedos com o mesmo objetivo
› Massageie os pés após a corrida e veja se não ficou nenhum machucado
› Caso sinta alguma alteração na sensibilidade dos pés ou alguma lesão na pele ou nas unhas, procure o médico

sábado, 14 de maio de 2011

Zonas do Sistema Linfático e Plexo Solar

Observações Gerais: No marco da zona do sistema linfático, são discutidas as trajetórias mais importantes de seus órgãos e linfonodos. No entanto, devemos considerar que o sistema linfático é tão ramificado quanto o sistema sangüíneo, de modo que em toda a parte em que tratamos estamos em contato de maneira neutra tanto com o percurso de sangue como com o sistema linfático. A propósito, este último não é fechado em si como o sistema arterial e venoso, porém começa no organismo nos espaços intercelulares das camadas periféricas de tecido.
A zona do plexo celíaco, mais conhecido sob o sinônimo de plexo solar, também poderia ser discutida dentro dos marcos de outros sistemas. O fato de ela ser associada aqui às zonas de linfa é, por um lado, uma questão de representação mais evidente possível e, por outro, o sistema vegetativo e o sistema linfático formam uma unidade funcional..

Posição Anatômica das Zonas
Sistema Linfático: A área do espaço nasofaríngeo, representada no meio dorsal dos hálux, é abastecida de maneira especialmente vasta com tratos e órgãos linfáticos e inclui a fauce linfática.
In situ como na correspondência no pé, encontram-se os troncos linfáticos laterais do pescoço até a clavícula, que parte, por um lado, do processo mastóide, por outro, da articulação temporomandibular. No centro estão as zonas pontuais das tonsilas, que podem ser palpadas nitidamente quando uma linha imaginária divide em metades a falange proximal do hálux horizontalmente para a lateral.




O sistema linfático da cabeça e do pescoço também pode ser atendido nos espaços interdigitais, tais como as zonas dos troncos linfáticos laterais eram trabalhadas comumente em tempos passados, antes de serem conhecidas com a exatidão como são hoje.
A tuba auditiva pode ser bem alcançada tanto no pé direito como no pé esquerdo, no espaço articular entre a falange média e a falange proximal dos dedos 2, 3 e 4 do pé, da área plantar.
A zona do timo quase não pode ser distinguida da zona do externo, sobre tudo porque seu tamanho e posição podem ser variáveis.
Correspondendo as proximidades das articulações do ombro, medialmente a cabeça do metatarsal 5, estão dispostos os vasos linfáticos axilares nas áreas dorsais e plantar de ambos os pés.
A parte central dos ossos metatarsais do dorso do pé corresponde a zona da mama feminina que se estende da margem lateral do externo à axila.
A zona do baço se encontra no terço inferior do metatarsal 4 do pé esquerdo tanto na área plantar como na dorsal. A zona dorsal foi registrada recentemente na representação; com isso, gostaria de salientar a importância do baço.
No dorso e na planta do pé direito, a zona do apêndice vermiforme e ceco podem ser palpados, mais ou menos no mesmo ponto da valva ileocecal, isto é, entre o osso cubóide e calcâneo.
O sistema linfático da pelve preenche quase toda a porção proximal da zona do osso calcâneo da região medial e lateral. No dorso do pé, a ligação das partes medial para a lateral do tornozelo representa os linfáticos da região inguinal; eles correm como uma faixa larga ao longo da articulação do tornozelo e estende-se medialmente nas zonas linfáticas do abdome inferior e coxa.
Toda a área distal da perna abrange as zonas dos linfáticos da coxa, no entanto, o mais aproveitável terapeuticamente é ao longo do tendão do calcâneo (de Aquiles) tanto medial como lateral até a estrutura óssea da tíbia e fíbula.
A área de linfa em torno dos joelhos pode ser abrangida no rádio ampliado em torno das zonas do joelho; a da região poplítea, na mesma altura das zonas do joelho, posterior na perna.




Plexo Solar: A zona do plexo solar se estende, tanto no pé direito como no esquerdo, da base dos ossos metatarsais 1 até os ossos cuneiformes 1 e é idêntica em suas porções centrais as áreas da zona do estômago.

Sistema Linfático: A fauce linfática, no que diz respeito ao espaço nasofaríngeo, é tratada com a polpa do dedo; os ductos linfáticos laterais no pescoço, com suaves preensões pontuais ou com fricções alternadas pelas polpas dos dois dedos indicadores em especial no caso de pacientes com sobrecargas de linfa na cabeça e no pescoço. Com muita atenção e um pouco de exercício, distingue-se bem se essas fricções podem ser realizadas fluentemente ou se o fluxo de trabalho deve ser interrompido. No caso de boa permeabilidade no tecido, as fricções são mais longas; no caso de congestões, elas são mais curtas e são mais repetidas com mais freqüências.
As pregas interdigitais nos interstícios dos dedos dos pés podem ser alongadas com o polegar e a polpa do dedo indicador na direita distal. Isso é oferecido senão existir nenhuma indicação especial e aguda para área de linfa da cabeça e do pescoço. Como o espaço interdigital entre o hálux é o segundo dedo do pé e é especialmente amplo, a membrana se alonga ali tanto do lado lateral do hálux como também a partir do segundo dedo do pé .
No entanto, no caso de sintomas nítidos e agudos de linfa na cabeça e no pescoço, por exemplo, no caso de dor de dente, otite média, sinusite, é aconselhável que se realizem também os traços nos interstícios dos dedos do pé de distal para proximal. O mais fácil é colocarem-se para isso os dedos indicadores em trabalho alternado na dobra de tecido entre os dedos do pé estender-se a partir dali em direção à articulação proximal do dedo. No começo, é conveniente decidir-se, dependendo do quadro de doença do paciente, por um dos dois modos de trabalho e não misturá-los.
As zonas de linfas das axilas são abrangidas suavemente na parte medial da cabeça do metatarsal 5, tanto na parte dorsal como plantar, com o indicador ou o polegar. As zonas da mama feminina podem ser tratadas, quando não existirem sobrecargas especiais, no dorso dos interstícios dos ossos metatarsais com o dedo indicador, de modo semelhante aos pulmões e o tórax.
Se congestões, dores ou atendimento pós-operatório exigirem um tratamento mais detalhado, escolhemos a chamada preensão de patinhas em conjunto: duas polpas de dedos de cada mão ficam uma diante da outra, os dois polegares apóiam a abobada transversal na planta. Enquanto as duas mãos oscilam suavemente uma após a outra, da flexão dorsal para a posição normal, as polpas táteis do dedo vão para as pontas dos dedos e dão estímulo terapêutico, de maneira suave, porem nítida, no terço médio dos ossos metatarsiais dorsais. As articulações da mão oscilam relaxadas, também uma após a outra, novamente de volta para a leve flexão dorsal. A direção de trabalho vai das proximidades do externo para a axila. Enquanto as duas elevações táteis de dedo de uma das mãos vão para a frente em pequenos passos, as da outra mão vão para trás.



A zona plantar do baço, no terço proximal do quarto osso metatarsal, é bem alcançada pelo polegar; a zona dorsal pelo dedo indicador. Para o apêndice vermiforme vale o mesmo: em plantar, o polegar trata pontualmente; em dorsal, o dedo indicador.
Na área medial da linfa da pelve se trabalha suavemente com o polegar em várias trajetórias na direção da região inguinal; na lateral, em geral o dedo indicador e o dedo médio alcançam melhor a área do calcâneo. Se for possível uma boa supinação da mão, o polegar também pode ser empregado.
O polegar também trata a área da linfa da região inguinal da lateral para medial. Para isso, os quatro dedos devem ser colocados relativamente bem debaixo do calcanhar, afim de que a polpa do polegar possa ser aplicada plana abaixo do lado lateral do tornozelo. Enquanto o polegar continua trabalhando na direção medial, a outra mão de apoio move suavemente o pé, pouco à pouco para a rotação lateral. Os linfáticos da região inguinal terminam na região medial antes da parte medial do tornozelo.
A área de linfa medial da coxa é friccionada, de maneira alternada, com as duas polpas do polegar adjacentes e planas, de proximal para distal até o maléolo medial e a margem medial do calcâneo. Na lateral, são as polpas dos dedos 3 e 4, as quais também ao logo do tendão do calcâneo (de Aquiles) de proximal para distal, que se encarregam dos traços alternados.

Plexo Solar
Ele é tratado com o polegar tanto no pé direito como no pé esquerdo e pode ser tão bem atendido de medial para lateral como de distal para proximal.
No caso de pacientes com estado de reação hipersimpáticotônico, é escolhida a apreensão prolongada; em estados mais vagotônicos ou em pessoas com desempenho diminuído do sistema nervoso simpático, trabalha-se de maneira tonificante. Como a situação vegetativa de partida nem sempre é evidente de modo espontâneo e para todos (o desempenho do simpático ou do parassimpático é acentuado conforme o histórico individual de doença), podemos orientar ao se tratar essa zona pela avaliação subjetiva do paciente: oferecemos a opção durante alguns segundos tanto da apreensão prolongada sedante como da suave tonificação dessa zona e tomamos a decisão em favor da variante que se mostrou adequada a ela.


Fonte: Revista Personalitè

quarta-feira, 11 de maio de 2011

Massagem Relaxante nos pés


Nossos pés merecem muitos cuidados e entre eles está uma boa massagem.

Os pés carregam o peso do nosso corpo o dia todo e no fim do dia merecem um bom descanso.

Por isso que uma boa massagem nos pés ajuda a relaxar e a tirar a tensão deixando-os mais leves.

Os pontos que estão localizados nos pés estimulam todos os órgãos do nosso corpo. E, além disso, o toque nos nossos pés nos da uma sensação de prazer e relaxamento enorme (alivia muito as dores).

Então você pode sentar em lugar confortável (cama, sofá, etc) e iniciar uma massagem.

Pressione a sola do pé com os polegares (utilize os outros dedos para segurar o pé, como um apoio), fazendo movimentos circulares e movimentos de cima para baixo.
Vá aumentando a pressão que você faz com os dedos aos poucos.

A sensação de relaxamento é imediata. Então, comece já a fazer sua massagem, pois seus pés vão agradecer.

terça-feira, 10 de maio de 2011

Podoterapia

O que é:
A podoterapia é caracterizada pelo estímulo manual em áreas do corpo que causam efeitos reflexos em outras partes do organismo. Utilizada com eficácia desde o século III AC, há estudos cientificamente conclusivos comprovando sua eficiência no tratamento de inúmeros problemas de saúde.

Aplicada em regiões como o pé - onde há feixes de nervos que representam o organismo em sua totalidade - a manipulação correta estimula o funcionamento ideal em outras regiões do corpo, correspondentes aos pontos manuseados. As aplicações levam à desobstrução do sistema nervoso e, como conseqüência, melhoram a absorção de nutrientes, favorecem a limpeza entre as células e eliminam pontos de tensão responsáveis pelo aparecimento de enfermidades.

Indicação:
Por ser indicada para solucionar uma gama extensa de problemas - desde pequenos desconfortos a distúrbios com grande gravidade - somente um especialista está habilitado a dizer quando a podoterapia deve ou não ser utilizada. Contudo, sempre que se procurar o funcionamento harmonioso do organismo por meio de um método natural, a podoterapia será indicada como fonte segura de satisfação e resultados animadores.

Método:
Natural, não invasiva e não medicamentosa, a podoterapia baseia-se totalmente no manuseio de pontos específicos ligados a sistemas, órgãos e tecidos do nosso corpo. Com a pressão exercida com exatidão em locais bem definidos, o terapeuta restabelece o funcionamento harmônico de todo o organismo, trazendo tanto soluções para enfermidades existentes, como melhorias no funcionamento global do organismo.

Dicas

Ande regularmente descalço sobre pisos naturais (grama, terra, pedras, etc). Isso vai liberar a eletricidade estática auxiliando no bom funcionamento do organismo.

segunda-feira, 9 de maio de 2011

Reflexoterapia Dos Pés - Vídeo

">

Aula da CEATH - Comunidade de Estudos Avançados em Terapia Holística, demonstrando manobras básicas de reflexoterapia (reflexologia) dos pés (podalterapia).

Neste vídeo, a filmagem tem o foco do ponto de vista de quem aplica.

Henrique Vieira Filho - Terapeuta Holistico - CRT21001

Modelo: Nathara

SINTE - SINDICADO DOS TERAPEUTAS

domingo, 8 de maio de 2011

sábado, 7 de maio de 2011

Reflexoterapia



Reflexoterapia é uma terapia complementar baseada na anatomia e na fisiologia humana que identifica, previne e trata dos distúrbios orgânicos e dos desequilíbrios emocionais, através de estímulos por pressão nas terminações nervosas em pontos específicos dos pés.

Beneficios

A Reflexoterapia trás diversos benefícios, tanto aplicada isoladamente como na potencialização de outros métodos. Tem sido usada com muito sucesso por psicólogos, fisioterapeutas, médicos, psicanalistas e por todos aqueles que trabalham pelo bem-estar físico e emocional dos seus pacientes.
A Reflexoterapia tem-se mostrado também uma forma muito eficiente de desenvolver o auto-conhecimento.

sexta-feira, 6 de maio de 2011

Reflexologia Ocidental



Há milênios, povos como o do Antigo Egito utilizavam a massagem nos pés com o objetivo de recuperar a saúde. Com o passar do tempo, os chineses e os índios americanos também começaram a utilizar esse tipo de tratamento, pois perceberam a eficácia dessa prática, que serviu de estímulo para que vários pesquisadores buscassem compreender a Reflexologia sob um ponto de vista ocidental.

No Ocidente, ainda no início do século XX, o Dr. William Fitzgerald, médico em Londres, passou a compreender que o corpo possui dez zonas de energia (meridianos) que partem da coroa da cabeça e vão até as extremidades dos dedos dos pés e das mãos, sistematizando dez zonas energéticas e considerando, inclusive, os respectivos órgãos contidos nessas zonas. Assim, ele desenvolveu um tipo de massagem com pressões puntiformes nos pés. De acordo com o princípio de que a parte contém o todo, ao observar os pés (planta, dorso e 10cm acima do tornozelo) e suas zonas energéticas, foi possível projetar de modo análogo todo o corpo e determinar, assim, a área reflexa de cada órgão e glândula.

Por meio dos exames visual e tátil do pé, é possível identificar as áreas onde se produz um processo energético alterado, ou melhor, onde há indícios de excesso ou deficiência de energia, e definir, dessa maneira, o procedimento terapêutico que deverá estimular o organismo a utilizar a sua força curativa de modo adequado.

Por Luiz Fernando Pires

quinta-feira, 5 de maio de 2011

Desintoxicação do pé


A desintoxicação do pé é um método indolor e eficaz de eliminar as toxinas do nosso corpo pelos pés. Ele tornou-se popular nos tempos antigos pelos japoneses que foram rejuvenescido após embeber seus pés cansados em fontes termais. Desintoxicação do pé é baseada na técnica oriental da reflexologia e benefícios de nossos órgãos internos, bem como sistemas circulatório e respiratório. Vários spas oferecem tratamentos de desintoxicação do pé que pode, no entanto, ser caro. Você pode preparar uma relaxante e eficaz desintoxicação do pé dentro dos limites de sua casa.

Etapa 1

Encha uma banheira ou balde ou bacia pela metade comágua fervente. A temperatura para uma desintoxicação eficaz deve ser entre 40 a 42 graus celsius, segundo o site detox body detox.

Etapa 2

Combine 1 xícara de sal de epsom com 1 xícara de sal e 2 xícaras de bicarbonato de sódio. Guarde essa mistura num recipiente hermético. O doc shop site afirma que o sal de epsom é conhecida por suas propriedades curativas, na elimanção das toxinas para fora do corpo, bem como para reduzir o inchaço e hematomas.

Etapa 3

Adicione 1 / 4 xícara da mistura de sal na água fervente.

Etapa 4

Adicione algumas ervas - como o chá verde, alho / gengibre / pimenta, folhas de bambu, folhas de nabo secas / cenoura, seda, milho e casca de frutas cítricas - para estimular o processo de desintoxicação.

Etapa 5

Coloque algumas gotas do óleo essencial de sua preferência para amenizar a aspereza dos pés.

Etapa 6

Mergulhe os pés nesta mistura, e relaxe por 25 minutos enquanto o seu corpo suavemente elimina toxinas através da sola dos seus pés, que possuem maiores poros.

Etapa 7

Use uma escova de fibra natural para esfregar seus pés e ainda eliminar as toxinas que podem estar agarrados ao fundo, bem como para remover as células mortas da pele.

Etapa 8

Enxugue seus pés com uma toalha seca e em seguida, aplique uma loção hidratante natural como aloe vera.

Dicas e avisos
Para o benefício máximo de desintoxicação, use um banho do detox do pé uma vez por semana.

Tire os pés para fora da água do pé do detox após 25 minutos, com a superexposição pode levar a queimaduras.

quarta-feira, 4 de maio de 2011

As vantagens da Reflexologia



- Tratamento natural e sem drogas;
- Ajuda a aliviar pés desgastados e cansados;
- Pode reduzir a dor;
- Ajuda a manter a destreza manual e as capacidades de locomoção;
- Previne a doença;
- Mostra as partes do corpo em que estão desequilibradas;
- Promove o relaxamento geral;
- Liberta endorfinas, o sedativo natural que faz a pessoa sentir-se bem;
- Estimula o corpo para que se auto-fortifique;
- Eficaz para manter um estado saudável e prevenir o aparecimento de doenças.

terça-feira, 3 de maio de 2011

Calatonia



Potencialize o relaxamento físico e mental da massagem

O método da calatonia alivia a tensão e solta a musculatura

A palavra "massagem" vem do árabe "massa" que significa "tocar, sentir e manipular" ou da palavra Hindu "amassar", cujo significado é o mesmo. Portanto a massagem é a arte de "tocar, sentir e manipular" tecidos macios do corpo, incluindo músculos, tecidos conectivos, tendões, ligamentos e articulações para estimular a circulação, a mobilidade, a elasticidade ou alívio de determinadas dores corporais.

Segundo o próprio Prof. Sándor, Calatonia é uma expressão que "(...) indica um tônus descontraído, solto, mas não apenas do ponto de vista estático e muscular. No original grego o verbo khalaó indica relaxação e também alimentação, afastar-se do estado de ira, fúria, violência, abrir uma porta, desatar as amarras de um odre, deixar ir, perdoar aos pais, retirar todos os véus dos olhos, etc."

Portanto, podemos dizer que a Calatonia, enquanto método de relaxamento visa, evidentemente, promover efeitos de soltura e/ou distensão muscular, ou seja, a "regulação" do tônus. Mas sua atuação vai além do nível apenas muscular, promovendo também "reorganizações psicofisiológicas" em vários níveis.


O procedimento básico da calatonia são toques sutis feitos nos dedos dos pés de um a dois minutos cada um. Os toques sutis no corpo induzem ao relaxamento profundo, não só do tônus muscular, mas como também da mente. É uma via de acesso a níveis de consciência bem profundos, podendo ser assumido como uma meditação induzida pelo terapeuta através dos toques nos pés.

Durante uma sessão de massagem, um terapeuta experiente usa todas as suas ferramentas para que a sua arte de "tocar, sentir e manipular" seja eficiente. Porém, ao sair do consultório, o cliente estará sujeito aos mesmos níveis de tensão que o fizeram procurar uma terapia (trânsito, cobrança, problemas pessoais e financeiros, etc.) e logo voltará aos seus padrões de desarmonia.

Como tornar fazer com que os efeitos terapêuticos de uma rotina de massagem sejam mais duradouros? A calatonia entra como um ótimo suporte para este problema. Uma rotina básica além de potencializar o relaxamento da massagem, induz a pessoa a acessar níveis de consciência profundos, além de regular o tônus muscular, a respiração e acalmar a mente.

minha vida

segunda-feira, 2 de maio de 2011

domingo, 1 de maio de 2011

Um ótimo dia do trabalho




Muitos consideram a reflexologia uma ciência , mas ela é também uma arte. Existe um padrão profissional de prática da reflexologia, porém os detalhes das técnicas de pressão podem variar de indivíduo para indivíduo, dependendo também do local onde recebeu formação.
A reflexologia é uma terapia que requer disponibilidade, e a convicção de que a cura está dentro do próprio paciente. Para que este processo aconteça é necessário ativar, estimular e desbloquear determinados pontos.

Como tal esta terapia requer da parte do terapeuta os seguintes aspectos:

-dedicação;
-dom natural;
-humanismo;
-paciência;
-sensibilidade;
-simpatia;
-poder de comunicação;
-honestidade;
-respeito;
-amor

Um pé massageado relaxa o corpo, um corpo relaxado acalma a mente, uma mente calma atrai pensamentos harmônicos e positivos, proporcionando que a inteligência se apresente tão clara e inovada, refletindo da mesma maneira esse bem-estar ao corpo inteiro e para as outras pessoas!