quarta-feira, 10 de novembro de 2010

O pé humano


O pé humano é composto de 26 ossos assim distribuídos: sete ossos do tarso(tálus , calcâneo, cubóide, navicular e os três cuneiformes); cincos ossos do metatarso; 14 falanges (três para cada um dos dedos, exceto para o hálux , que tem apenas duas).

Os ossos são mantidos unidos através dos ligamentos, que totalizam número de 107, formando as articulações. No pé, as articulações são em número de 33: articulação superior do tornozelo( talocrural ), articulação subtalar, articulação mediotársica ( calcaneocubóide e talonavicular ), articulações tarsometatarsianas (cubóide, cuneiformes e bases metatársicas), articulações metatarsofalangeanas, articulações interfalangeanas.

Os músculos são classificados em extrínsecos e intrínsecos. Os músculos extrínsecos possuem origem abaixo do joelho e inserção no pé, e realizam os movimentos do tornozelo como dorsiflexão , a plantiflexão , a inversão e eversão , além de atuarem na movimentação dos artelhos (dedos). Os músculos 64 intrínsecos são representados pelos que se originam abaixo da articulação do tornozelo, podendo situar-se no dorso ou na planta do pé, estes músculos realizam a movimentação dos artelhos.



MOVIMENTOS DO TORNOZELO E PÉ

Dorsiflexão é o movimento de aproximação do dorso do pé à parte anterior da perna. A amplitude desse movimento é em torno de 20°. Os músculos que atuam neste movimento são o tibial anterior, o extensor longo dos dedos e o fibular terceiro.

Plantiflexão consiste em abaixar o pé procurando alinhá-lo em maior eixo com a perna, elevando o calcanhar do chão. A amplitude média desse movimento é de 50°. Esse movimento é realizado principalmente pelos músculos sóleo e gastrocnêmios.

Inversão ocorre quando a borda medial do pé dirige-se em direção a parte medial da perna oposta. A amplitude máxima deste movimento é de 20°. Realizado principalmente pelo músculo tibial posterior, e auxiliado pelos músculos gastrocnêmios , sóleo e flexor longo dos dedos.

Eversão ocorre quando a borda lateral do pé dirige-se para fora. A amplitude máxima é de 5°. Realizado principalmente pelos músculos fibular curto e longo, auxiliado pelos músculos extensor longo dos dedos e fibular terceiro. Abdução é o movimento que ocorre no plano transverso, com os dedos apontando para fora.

A adução consiste no movimento oposto, de apontar os dedos para dentro. Pronação este movimento é triplanar, ocorre com uma combinação de movimentos sendo formado por uma eversão do calcâneo, abdução e dorsiflexão, onde o calcâneo move-se em relação ao tálus. Supinação é o oposto da pronação, ocorrendo uma inversão do calcâneo, abdução e flexão plantar.

BIOMECÂNICA DA MARCHA Podemos dividir em duas fases. A primeira é a fase de apoio ou de sustentação, que começa a partir do contato inicial no toque do calcâneo e termina quando os dedos saem do chão. A segunda fase e a de balanço ou recuperação. Representa o período imediatamente seguinte ao desprendimento dos dedos.

Durante o contato inicial, a articulação subtalar encontra-se supinada. Essa supinação da articulação subtalar acarreta obrigatoriamente a rotação externa da tíbia. À medida que o pé recebe a carga, a articulação subtalar move-se para pronação e conseqüentemente uma rotação interna da tíbia. A pronação do pé destrava a articulação mediotarsal e permite uma melhor absorção de impacto.

A pronação é normal e permite essa distribuição de forças sobre o máximo de estruturas possíveis com o objetivo de evitar o excesso de carga. A articulação subtalar permanece em pronação até que 55% a 85% da fase de apoio sejam compatíveis com o centro de gravidade corporal que passa sobre a base de apoio. O pé recomeça a supinar e se aproxima da posição subtalar neutra em 70% a 90% da fase de apoio. Na supinação a articulação mediotarsal está travada e o pé fica estável e rígido preparando-se para a propulsão

EXCESSO DE PRONAÇÃO E SUPINAÇÃO Destacamos que a pronação e supinação são movimentos normais da articulação subtalar, que ocorrem na marcha. Entretanto, se forem excessivas ou prolongadas, podem desenvolver lesões específicas importantes. Tanto a pronação excessiva, quanto a supinação são decorrentes de alguma deformidade estrutural ou funcional do pé ( antepé valgo, antepé varo ou retropé varo). A pronação excessiva relaciona-se com o antepé e retropé varo.

Já a supinação decorre de um antepé valgo. A compensação geralmente ocasiona a lesão por esforço repetitivo e não a deformidade em si. Estes são os principais, devemos considerar outras deformidades como; tíbia vara, tornozelo equinovaro, eversão excessiva do calcâneo etc.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário